“Rafael Falcón é o maior didata da língua latina que já conheci. O moço, competentíssimo, tranquilo, já possibilita, por seu método, que os alunos,já na primeira aula se debrucem sobre um texto original de Virgílio, e se saiam bem na tradução. Depois de eu muito penar estudando latim por conta própria, ou com professores, e sempre me vendo na impossibilidade de ler um texto do original, as aulas do Professor Rafael estão redimindo e fazendo frutificar todas essas horas ‘perdidas’. Recomendo veementemente o curso dele. Vais ver, e seguirás de acordo com teu ritmo, pois as aulas, uma vez transmitidas, ficam gravadas no site, de maneira que podes baixá-las a qualquer tempo. Este meu depoimento ainda realmente é pouco diante da qualidade do curso de latim online do Professor Rafael Falcón”.

(Elpídio Fonseca, tradutor de Eric Voegelin, Andrei Pleșu e outros importantes autores)

***

“O método de ensino é realmente espetacular. Até o momento nunca tinha visto algo tão completo no mercado. (…) Normalmente o pessoal fica com receio, porque o curso é no formato EAD (educação à distância). Quanto a isso não há problema nenhum, as aulas são longas e o conteúdo fica muito bem explanado. E se não entender algo, tem o fórum, em que dá para interagir com o professor e os colegas. Inclusive, o fórum é ótimo para poder comparar as respostas dos exercícios dos colegas com a sua própria resposta – visto que há certas dificuldades em contextualizar certas palavras. Ainda estou no início do Básico, mas já notei que o método de ensino é excelente. No passado, já tinha tentado aprender latim, mas não fui muito longe – talvez por causa do próprio professor. No curso do Rafael não tive esse problema. Qualquer pessoa que preze pela aprendizagem da alta cultura deveria fazer esse curso”.

(Vitor Parodi, aluno de graduação em Ciências Contábeis na UFRGS)

***

“Posso dizer que, findado o módulo básico, seu curso exorcizou pelo menos uns 3/4 dos problemas que eu tinha com o latim e abriu um mundo de possibilidades, inclusive na leitura do idioma inglês (efeito que absolutamente eu não esperava). Suas explicações sobre ordem lógica foram maravilhosas. Mais maravilhoso ainda foi você trabalhando um texto da forma mais clara possível na nossa frente, igual ao que o prof. Olavo [de Carvalho] faz com a filosofia.

Acredito que o salto que seu curso operou no meu intelecto é algo que parecia intransponível nas minhas duas outras tentativas, que tinham um enfoque quase que puro no decorar de regras e tabelas (o famoso caso que você mesmo citou, das conclusões que os alunos de outros cursos tiram sobre no latim “tudo poder ser tudo”, era uma conclusão a qual eu compartilhava até antes do seu curso).

Eu tinha praticamente todas as tabelas decoradas na cabeça e não conseguia traduzir uma mísera frase direito após 1 ano e meio de estudos (evidentemente não vou pôr só culpa nos cursos, é minha também). Hoje, com algum sofrimento (por eu ser mais limitado) consigo traduzir vários escritos de menor complexidade com uma margem de erro bem menor (e ainda por cima entender, ainda que de maneira incipiente, o peso que cada uma exerce, e não só sua função…)

Muitas vezes eu pensei em desistir em definitivo do latim. Seu curso foi minha última tentativa. Não posso deixar de dizer que o sentimento que fica em seu curso é “por que não o comecei antes?”.

Pelo visto, conforme a página de depoimentos, a história se repetiu com outros.

Adendo: Vi que anteriormente alguém que estudou Napoleão [Mendes de Almeida] perguntou se deveria começar seu curso do Básico. Como aluno digo: Sim! Comece da aula 1 e ouça tudo com atenção! Tem coisas que são impossíveis de ficar colocando no papel, sob risco da gramática virar um compêndio insuportável, daí a necessidade de quem tem experiência no assunto trabalhar a coisa na tua frente e você aprender vendo a pessoa fazer”.

(Leonildo Trombela Junior, jornalista)

***

“Logo no início do curso percebi que essa língua me obrigaria a algo: a parar e “decifrar” o texto, isto é, a lê-lo com calma, como “matéria dura” que era, a analisar palavra por palavra, de acordo com a função que ela exerce na oração e seu significado mesmo. É uma língua que exige, portanto, uma espécie de contemplação, e que, por conseguinte, parece terminar por introduzi-la em nossas vidas como uma espécie de hábito. (Acredito que, nesse mundo de agitações e de ansiedades em que vivemos, tal hábito não seja pouca coisa).

Coincidentemente, algum tempo depois, sentado à soleira da porta de casa, e presa de uma forte angústia por preocupações que me atormentavam, ao passar de um pássaro, vi que para além de tudo aquilo que em mim se debatia, havia um mundo, belíssimo, totalmente indiferente ao que eu pensava, que funcionava como que por uma ordem interna maravilhosa e que de mim não dependia em nada – uma experiência contemplativa, portanto, que teve sobre mim um efeito restaurador a que sempre procuro voltar nos momentos difíceis.

Foi essa experiência, creio, despertada pelo estudo do latim, pela analogia óbvia que há entre ela e o estudo dos textos nesse idioma. A partir daí muita coisa foi mudando: minhas leituras tornaram-se mais lentas, pois passei a procurar nelas algo sobre esse mundo em que só então eu havia percebido que inelutavelmente estava; o meu trato com as pessoas mudou, pois passei a tentar ver nelas o que de fato elas mesmas eram, deixando que com suas presenças isso me dissessem; e vi um mundo de sutilezas que, me parece, estavam de alguma forma já cristalizadas na rigidez fácil de ver dos casos da língua latina. Além disso, notei uma melhora significativa na minha capacidade de resolução de problemas, por conta de uma maior facilidade para perceber a ordem interna de diversos fenômenos, separando os acidentes do que havia neles de essencial”.

(José Augusto Neto, administrador de empresas)

***

“Muito se engana quem pensa que o latim é uma língua morta, e que por isso estudá-lo é perda de tempo. Esse idioma é base para aprender não apenas a gramática portuguesa mas também a base para todas as línguas latinas. Sem falar no uso dos clássicos que o professor Rafael adota. Esse curso é um must have pra qualquer um que leva sua vida intelectual a sério.

Sou aluna do prof. Rafael Falcón e posso dizer, sem sombra de dúvidas, que vale muito a pena. O método do professor Rafael é único e utiliza textos clássicos desde a primeira aula, possibilitando não apenas aprendizado de latim e uma base sólida para os demais idiomas latinos, mas também acesso à mais alta cultura. Recomendadíssimo!”

(Bruna Luiza, consultora política na Embaixada Britânica de Brasília)

***

“Você não acredita que seja possível aprender Latim sem ter de enfrentar repetições enfadonhas e memorização de tabelas? Eu também não acreditava, até encontrar o curso do professor Rafael Falcón. Nele, você começa a ler e a traduzir o idioma clássico desde a primeira aula, e os conhecimentos gramaticais não são um estorvo à compreensão, como noutros métodos. Recomendo fortemente!”

(Gustavo Nogy, escritor e revisor)

***

“Para quem tem alguma dúvida da eficácia, se realmente funciona, direi o seguinte: terminei há pouco o nível básico (12 aulas) e digo com tranquilidade que o curso é realmente eficaz. E olha que tenho dificuldades em aprender! Devo acrescentar que nunca confiei em cursos online e sempre achei que não funcionassem. Felizmente fui contrariado e hoje recomendo a quem puder este curso de latim. A metodologia é excelente e, diria mesmo, surpreendente!”.

(Atila de Almeida, estudante de pós-graduação em História na UFF)

***

“Pensava que o latim era quase uma ciência hermética, pois sempre que ouvia falar na língua era num misto de respeito e pavor: ‘dificílimo’. E fui conformada, como disse uma colega, ‘a poder ler uma frase dentro de uns seis meses’. E latim online, então…

Bem, as aulas não são nada diferentes das presenciais e o latim não é mais difícil do que qualquer outra língua. O que me chamou a atenção no trabalho do Rafael e me fez escolhê-lo foi o fato dele trabalhar com textos já a partir da primeira aula. As questões gramaticais são resolvidas ao longo da leitura sem a necessidade de decorar intermináveis tabelas, além de ser bem mais agradável. Aprendo no meu ritmo e com foco na leitura e compreensão de texto, que é o meu objetivo. Ah, e não precisou de seis meses para ler uma frase! Em seis meses estava lendo a Eneida, a do Virgílio mesmo!”.

(Flávia Barros, aluna de graduação em História na UFF)

***

“Faz aproximadamente dez meses que venho cursando o latim online e, sem precisar ficar decorando tabelas, já estou conseguindo identificar as declinações dos casos, gêneros e números. Isso tem sido possível porque o Professor Rafael, desde a primeira aula, estimula o contato direto com os textos em latim. Na medida em que os exercícios de tradução vão sendo feitos e corrigidos, as regras gramáticas e declinações vão sendo paulatinamente internalizadas por meio do contato direto com os textos. Desse modo, o curso torna-se bem mais produtivo se comparado àquelas aulas tradicionais que só priorizam a gramática, e não aquilo que o texto quer dizer. (…) Foi a partir do latim online que criei gosto pela língua e, além disso, também venho notando melhoras significativas na maneira de expressar-me em português. Nesse curto período de tempo já estou conseguindo compreender ideias nucleares de textos que possuem certo grau de complexidade, por exemplo, textos de lógica. Em suma, estou muito satisfeito com o latim online porque aquele que ministra o curso não é apenas um grande conhecedor de latim. Rafael é Professor mesmo!”

(Felipe Antônio, mestre em Filosofia Medieval pela UNIFESP)

***

O Curso de Latim Online do Prof. Rafael Falcón possui uma metodologia nova, de imersão nos clássicos latinos desde a primeira aula. (…) Esse Curso de Latim serve, inclusive, para que o estudante tenha paciência e rigor nos seus estudos. Tanto que mesmo já tendo estudado o volume 1 do Padre Júlio Comba antes de iniciar o curso, após a tentativa de traduzir alguns trechos de Horácio, Ovídio, Virgílio, e cia limitada pelo método do Falcón, a minha compreensão dos textos filosóficos medievais aumentou consideravelmente.

Para exemplificar, a diferença de saber ler um texto antigo em Latim e apenas falar o latim consiste na mesma diferença entre reproduzir o que Sto Tomás disse no opúsculo De Ente et Essentia e entender realmente esse texto, com todos os conceitos implícitos e relacionados.

(Jayme Dutra, professor de História)

x