dezembro 7

Às vésperas da Imaculada Conceição

0  comments

8 de dezembro é a Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Maria. A aparição que confirmou o dogma da Imaculada Conceição foi a de Lourdes; mas neste dia eu me lembro mais de sua predecessora, Nossa Senhora de La Salette, que foi encontrada a chorar desconsoladamente sobre uma pedra. Uma das crianças que a tinham descoberto observou: “pareceu-me como uma mamãe que tinha apanhado dos próprios filhos e fugira aos montes para chorar”. Compadecidas de sua figura, as crianças logo quiseram saber por que estava tão triste. E ouviram isto:

Seis dias Eu vos concedi para o trabalho, e o sétimo, reservei-o a Mim — e, no entanto, eles não Mo dão.”

— Isto é o que torna tão pesado o braço do meu Filho!

Nossa Senhora parece citar algo que ouviu do próprio Deus, ultrajado porque os homens não Lhe respeitavam o direito de ter um dia só para Si.

— Ninguém mais vai à Missa exceto algumas idosas — disse a Senhora — o resto trabalha aos Domingos o verão inteiro; e no inverno, quando não têm mais o que fazer, vão à Missa para zombar da religião. Durante a Quaresma, frequentam os açougues como cães!

O dia da Imaculada Conceição é de guarda, mas não é feriado no Brasil. Por isso, trabalha-se; e há quem nem à Missa assista, até porque muitas paróquias não fazem questão de divulgar os horários, a data ou a obrigação. Volta-me à memória a impressão daquela criança: era como uma mãe que apanhara dos próprios filhos.

— Se perder-se a colheita, a culpa é vossa — continua ela, sempre a chorar. — Eu vos alertei no ano passado sobre os frutos da terra; mas não me ouvistes. Pelo contrário, quando descobríeis os frutos arruinados, praguejáveis e usáveis o nome do meu Filho em vão. Pois continuarão a apodrecer, e no Natal já não haverá mais nada!

Dizem que uma das crianças ficou perplexa com a expressão “frutos da terra”, pois houvera uma praga de batatas, e a palavra “frutos” (pommes), em seu idioma, não era normalmente aplicada a tubérculos. Por que a Virgem disse “frutos”, e não “batatas”?

Frutos da terra foi o que Caim ofereceu a Deus; o sustento do corpo, simbolizado pelo pão; resultado do trabalho muscular do homem, que depois do pecado exige também o suor do rosto. O homem obcecado por seu trabalho normalmente visa aos frutos da terra, e parece justo que Deus lhos tire como punição. Por causa do pão, violastes o direito do Autor da vida; por esse pecado, perdereis também o pão.

O homem pensa que seu dinheiro é merecido, que as batatas lhe nascem por causa de seu esforço. Por isso, não agradece; e se alguma vez não obtém o lucro costumeiro, pragueja contra Aquele que sempre lhe deu tudo o que teve. Não raro se queixa até dos bens que recebeu, porque lhe dão preocupações.

E no Natal já não haverá mais nada. Que Domingo é mais violado que o Natal? Quando o Cristo nasceu, Ele não tinha nada; mas todos se julgam no direito de pisoteá-Lo um pouco mais para que a si mesmos no Natal não lhes falte nada. Não se pensa em coisa alguma, não se faz coisa nenhuma às vésperas do Natal que não pertença à terra e a seus frutos. Quem pode culpá-Lo, se resolver tirar os mesmos frutos daqueles que não respeitam o Pai que lhos dá?

— Se tendes trigo, não adianta plantá-lo; tudo o que plantardes será comido dos insetos, e o que brotar, se há-de desfazer em pó quando o debulhardes. Eis que virá uma grande fome.

Uma grande fome é o único modo de chamar a atenção daqueles que pensam com o estômago; uma grande pobreza é o último recurso para converter avarentos. Quando virdes o trigo se desmanchar em vossas mãos, sabereis quem é o Senhor do trigo, e quanto vale o vosso trabalho sem o Seu auxílio. Quando virdes vossas plantinhas roídas dos insetos, haveis de lembrar onde acabam os esforços do homem.

É bem verdade que ela acrescentou:

— Caso se convertam, pedras e pedregulhos se tornarão montes de trigo, e os frutos se plantarão a si mesmos na terra.

Porque o mesmo Deus que tira, pode dar, e Ele não precisa do vosso trabalho, mas permite que coopereis com Suas obras para a vossa própria edificação. Quantos bons servos não foram miraculosamente enriquecidos e sustentados como prêmio de sua fidelidade? Santo Isidro Lavrador, que tinha uma produção invejável entre os colegas, não contava com anjos que lhe empurravam o arado enquanto rezava?

Em seguida a Virgem perguntou rapidamente:

— Meus filhos, rezais bem as vossas orações?

— Não muito bem, Senhora — confessaram as crianças.

— Ah, meus filhos, cuidai de rezá-las bem, de manhã e de noite! Quando não puderdes fazer melhor, rezai ao menos um Pai-Nosso e uma Ave-Maria! Quando tiverdes tempo, rezai mais.

Quando tiverdes tempo, rezai mais; antes que vos finde o tempo, como a vossos pais.


Tags

Cristianismo, Nossa Senhora


You may also like

Deixe um comentário
{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}