Blog

Catilina2-Maccari_affresco

Questões de gênero nas Catilinárias

Catilina2-Maccari_affrescoO objetivo deste artigo é explicar, preliminarmente, a estrutura dos gêneros retóricos na Antigüidade Clássica, a saber: deliberativo, epidíctico e judicial. Essa divisão em três gêneros, encarada pelos teóricos e pelos próprios oradores como descritiva e normativamente útil, será examinada com vistas à aplicação desses conceitos nas Catilinárias Prima e Secunda. Esses discursos, do orador Marco Túlio Cícero, apresentam dificuldades se submetidos à classificação antiga, por misturarem os gêneros. Sendo assim, procuraremos explicá-los, servindo-nos principalmente do instrumental oferecido pela Semiótica de linha francesa, mas lembrando igualmente de conceitos formulados por Bakhtin e pela escola francesa de Análise do Discurso, conceitos esses que foram herdados pela Semiótica greimasiana. Entendemos que o gênero, definido pela Semiótica como “uma classe de discurso, reconhecível graças a critérios de natureza socioletal”, é ele mesmo constituinte do sentido do discurso, por revelar escolhas do enunciador e, ao mesmo tempo, determinar uma postura de recepção do discurso, no que se refere ao enunciatário.  (Continue lendo esse artigo…)

(Estudos Semióticos, v. 5, pp. 9-16, 2009)

bouguereau-idylle

O dístico elegíaco latino em português: uma proposta de tradução

bouguereau-idylleFazemos neste artigo uma proposta de tradução do dístico elegíaco latino. Para tanto, além de expor certos princípios teóricos, demonstraremos alguns dos possíveis resultados práticos desses princípios, usando como amostra a elegia I, 9 de Propércio, reproduzida a seguir com a respectiva tradução.

Sexto Propércio foi um poeta romano do círculo de Mecenas, em que convivia com homens como Virgílio e Horácio. Sua poesia é musical e suave, própria para a recitação porque agradável aos ouvidos, tanto no som como no sentido. Não obstante, Propércio impressiona ainda mais por sua habilidade de  usar uma palavra para expandir o sentido de outra. Por isso Ezra Pound considerou-o um mestre da logopéia, a “dança do intelecto entre as palavras”. (Continue lendo esse artigo…)

(Cadernos de Literatura em Tradução, v. 10, pp. 71-79, 2009)

curso de latim online

Sobre a Arte de Ler em Latim

curso de latim onlineEste artigo foi escrito para servir de introdução ao livro “The Art of Reading Latin”, do Prof. William Hale, em edição brasileira pela Editora Resistência Cultural.

Nele, abordo a história do ensino do latim, a função tradicional dessa disciplina e como ela se encaixava no sistema das artes liberais, para mostrar que erram os que a vêem como mero ensino de idiomas. Verdadeiramente, trata-se de uma disciplina intelectual e, o que é mais, daquela que é fundamento de todo o resto.

Baixe o artigo, gratuitamente, clicando no link: Sobre a Arte de Ler em Latim.

socrates-wanted-poster

Por que a escola moderna não pode oferecer uma educação clássica

Assista também à minha palestra baseada neste artigo, que foi proferida na Global Home Education Conference 2016. Clique no link: Educação Clássica e Homeschooling.

O Estado mandou matar Sócrates. Não é razoável supor que lhe dariam uma escola para dirigir.
O Estado mandou matar Sócrates. Não é razoável supor que lhe dariam uma escola para dirigir.

A verdadeira educação clássica tem requisitos que as escolas modernas são incapazes de satisfazer. Só o homeschooling pode atender às exigências espirituais da tradição antiga, medieval e renascentista. Continue reading

ghec

Educação Clássica e Homeschooling

 

Esta palestra foi dada na Global Home Education Conference 2016, no Rio de Janeiro. Para conhecer mais sobre meu trabalho na área de educação infantil, acesse: A Formação Literária da Criança.

Para ler uma versão resumida da palestra, acesse: Por que a escola moderna não pode oferecer uma educação clássica?

IICONGRESSOCONFRARIA

A unidade do Trivium

Esta palestra foi dada no II Congresso de Artes Liberais, em Porto Alegre. Seu tema é a relação entre as três disciplinas do Trivium, e de que modo elas compõem uma unidade, como sugere o tradicional esquema triangular em que cada arte leva, organicamente, às outras duas. Para demonstrar a relação entre as artes, é preciso examiná-las individualmente, ressaltando os elementos permanentes que parecem guiar o curso do Trivium do começo ao fim.

camoes

Introdução a Os Lusíadas

camoes

PROGRAMA

Aula I: Vida de Camões e contexto da obra
Aula II: Métrica e sintaxe
Aula III: Camadas de sentido

Estas aulas são parte do curso Formação Literária da Criança. Tendo discutido, nas aulas anteriores, como aplicar as técnicas clássicas de ensino usando os instrumentos modernos, percebi que os alunos sentiam necessidade de assistir a uma aplicação do método. Os exemplos dados ao longo das aulas teóricas não eram suficientes para formar uma visão integral do que seria ensinar segundo os princípios clássicos.

Os Lusíadas foi a obra que recomendei mais efusivamente como matéria-prima da formação literária, por atender a todos os critérios clássicos, ter sido composta na língua portuguesa e ter como autor o maior poeta do nosso idioma. Assim, decidi dar este curso, não como se eu fosse um especialista em Camões — pois não o sou — mas como um professor de literatura que deseja demonstrar o método clássico de formação literária, em sua primeira etapa: a interpretação de poesia.

Portanto, este curso pode ser útil àqueles que nunca estudaram Os Lusíadas, já que encontrarão nele uma introdução rápida e substanciosa, e ainda mais útil aos que desejam entender e aplicar o método clássico de explicação de textos. Diferentemente do Formação Literária da Criança, este curso não abrange a gramática do Trivium inteira, mas apenas a sua primeira etapa; isso porque é mais fácil ser conciso numa exposição teórica. Demonstrar tudo na prática exigiria muito mais tempo; mas dar continuidade a esse esforço está nos meus planos.

200px-Hugostv

Educação e Humildade (Hugo de São Vítor, trad. Rafael Falcón)

Hugo de São Vítor

BAIXE O LIVRO GRATUITAMENTE: FORMATO PDF OU FORMATO MOBI.

Este e-book gratuito é uma tradução comentada e bilíngüe (latim-português) do capítulo “Humildade” (Didascalicon III, 13), em que Hugo de São Vítor expõe as características da humildade estudantil, os tipos de soberba que ameaçam a busca pela sabedoria e o que se deve fazer para prevenir-se contra eles. Os comentários são puramente didáticos, e visam a esclarecer passagens mais ou menos obscuras, sem pretensões acadêmicas.

metamorfoses-livro-simul

As Metamorfoses (Ovídio, trad. Bocage, comentários de Rafael Falcón)

metamorfoses-livro-simul

ADQUIRA O LIVRO CLICANDO NESTE LINK.

Bocage já foi considerado por alguns o maior poeta da língua portuguesa. Ovídio, a quem ele traduz nesta seleção, se encontra em posição semelhante, seu nome nunca estando ausente das listas de “autores essenciais” da literatura antiga.

As Metamorfoses são o projeto mais ambicioso de Ovídio: um poema épico em quinze cantos, que narra a maior parte dos mitos greco-romanos de alguma importância.

Talvez já bastasse editar o livro bilíngüe, com Bocage e Ovídio lado a lado e valiosas ilustrações mitológicas de grandes pintores. Fizemos tudo isso; mas não queremos uma publicação de tal monta parada nas estantes, ininteligível e desvalorizada, como aconteceu com tantos clássicos no Brasil. Sonhamos que Ovídio e Bocage serão os mestres literários de uma geração. Para esse fim, oferecemos também neste volume: 1) extensos comentários que esclarecem obscuridades, figuras de linguagem, referências e detalhes de estilo, 2) um glossário ao final do livro, 3) um parágrafo-resumo em prosa antes de cada mito e 4) uma introdução que sugere como tirar o máximo da obra.

Esta publicação interessará aos amantes da literatura, mas sobretudo aos autodidatas, pais e professores em geral, que andam à procura de bom material para a instrução literária. Encontrarão aqui um clássico, que é clássico duas vezes, no original e na tradução, e cuja edição foi preparada especialmente para os que querem estudar e aprender.